"emaranhado"

Um jogo de palavras aberto às possibilidades de relação entre as ações de Natalia e as coisas que estão ao seu redor. Diários de bordo, mapas, macela, cosmos, erva-baleeira, folhas secas, folhas soltas, anotações, testes de impressão em linho, sobras de tintas em garrafas de vidro, mordentes, materiais, livros sublinhados, livros por ler.

Emaranhado é uma exposição que apresenta os processos relacionados às práticas de impressão botânica da artesã têxtil e antropóloga Natalia Seeger, a partir de elementos da sua casa-atelie-laboratório-engenho, localizada na Costa de Dentro, sul de Florianópolis.

A proposta da exposição reúne testemunhos do universo que compõe os fazeres de Natalia, apresentando intersecções entre os seus conhecimentos nas áreas de antropologia, moda, biologia e os saberes populares provenientes da região onde vive.

A partir de caminhadas em busca de plantas para serem coletadas e impressas em tecidos, Natalia cria estudos que não se prendem a nomenclaturas e classificações científicas. Seu interesse está em criar experimentações de coloração com os pigmentos das plantas em cada estação; em criar anotações sobre as interações entre essas espécies encontradas e entre elas e o meio; em coletar narrativas e trocar informações com os moradores sobre os usos e as características de cada planta. Um emaranhado de relações, coisas, conhecimentos, histórias e percepções que conformam impressões do seu entorno e de si, sugerindo no seu fazer artesanal, um conhecimento narrativo e autobiográfico.

Para além da coleta de plantas, esse “emaranhado” de informações, sinais, percepções e objetos constituem toda a forma de pensamento e prática da artesã. Criando malhas de relações entre diferentes áreas de conhecimento, Natalia produz uma narrativa que vai se emaranhando nas formas de ver, sentir, perceber e estar no mundo.

Emaranhado não se dá como uma exposição de ‘obras’ finalizadas ou como um resultado-fim, mas como uma exposição sobre um processo ou caminho, como um registro de deslocamentos, uma exposição-anotação à ser compartilhada. Uma forma de visualização e organização de um fazer que está acontecendo. Uma cartografia que sugere a importância de desacelerar a vida para perceber e dar atenção ao entorno, de valorizar saberes populares e ancestrais e de conhecer os espaços que habitamos para nos reconhecer.

Curadoria: Isadora Stähelin
Montagem: Isadora Stähelin e Natalia Seeger.
Abertura: sábado, 01 de setembro de 2018, às 15h.
Local: Nacasa Coletivo Artístico. R. José Francisco Dias Areias, 359.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/2

11a edição da Strangloscope - Mostra Internacional de Áudio, Vídeo/Filme e Performance Experimental

O ateliê Natalia Seeger foi convidado pelo Duo Strangloscope para produzir um tecido com impressão botânica para que o texto de abertura da mostra Internacional de áudio, vídeo/filme e performance experimental fosse projetado. O tecido de algodão cru consistiu em 3 partes costuradas com um ponto intitulado "pulsar", por remeter a batimentos cardíacos. A tela foi produzida com impressão botânica utilizando flor cosmos, folha de goiabeira, de mamona, de cosmos, de melão da praia, gerânio, entre outras plantas.

A exposição ocorreu no MIS - Museu Da Imagem e do Som de SC no ano de 2018.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/2

"a flor, o nó e a pólis"

exposição coletiva: "tramas"

Exposição coletiva realizada no "O sítio". Durante 1 mês de produção conjunta no ano de 2018 realizamos a gravação de um filme que retrata Florianópolis por um outro olhar, um olhar "não mercantil" que agrega dualidades da capital catarinense rica em belezas naturais, cultura material, trabalhos artesanais e também poluição, degradação ambiental e especulação imobiliária.

 

Durante as gravações tivemos o imenso prazer de conhecer Dona Onézia, rendeira local que através de suas habilidades manuais colore e adorna pessoas que estão ao seu redor. Produzi em conjunto com ela uma almofada de renda de bilro com as folhas de bananeira seca do meu quintal, e também com um tecido com impressão botânica produzido por mim. A renda fez parte da instalação da exposição, assim como três telas produzidas a partir da técnica de impressão botânica, onde cada tela representava uma parte de Florianópolis: "flor", "nó" e "pólis".

Os tecidos, instalação e algumas filmagens: Natalia Seeger

Filmagem e montagem: Eduardo Menezes
Produção: Luciana Ozório
Som e montagem: Augu Alenc

Mostra dos Resultados da 2ª edição dos Encontros de Criação Colaborativa em Arte e Tecnologia
Abertura: 8/11

Organização: Atelier Digital O Sítio

 

press to zoom
press to zoom
press to zoom
coleta de flor cosmos
press to zoom
produção da tela
press to zoom
processo de produção da tela
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/2